Esculturas inspiradoras da natureza são formadas a partir de metais de resistência industrial

Michelle McKinney
Michelle McKinney

Quando pensamos em esculturas de metal, normalmente evocamos imagens de grandes obras monolíticas que provavelmente exalam uma qualidade de indestrutibilidade. Não é assim com essas esculturas cativantes da artista britânica Michelle McKinney, que usam materiais artificiais de força industrial, mas são criadas em formas quase delicadas e dispostas em padrões dinâmicos, fazendo com que pareçam ter sido arrancadas da natureza.

As composições de McKinney consistem em elementos meticulosamente cortados e tecidos à mão, como cobre, latão ou malha de aço, moldados na forma de folhas, pássaros e sementes. Cada componente é pintado à mão em cores naturais, ocultando a origem industrial do material.

Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney

As peças são então organizadas em composições sutis, mas deslumbrantes: uma explosão radial de formas semelhantes a plantas, uma dispersão de folhas, um murmúrio de pássaros. Eles estão presos à parede, sugerindo um equilíbrio entre a estética arejada e o estudo científico da natureza.

Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney

McKinney vê seu trabalho sugerindo uma "complexa rede de tensões", puxando entre complexidade e simplicidade, caos e ordem, liberdade e limites. Ela explica:

Esse jogo entre o atemporal e o imediato está no cerne do trabalho. Por mais tranqüila que a ordem do instante possa parecer, ela não pode se separar do caos subjacente da natureza, e é nesse engajamento com o caos que somos atraídos, de maneira tão despretensiosa, pela cativante simplicidade da ordem.

Michelle McKinney

© Michelle McKinney


Michelle McKinney

© Michelle McKinney

Há algo extremamente sedutor nessas composições efêmeras: elas parecem sugerir os grandes e emocionantes movimentos do vento, pois carregam preciosos pedaços de vida no ar, oferecendo homenagem ao eterno impulso de transformação. No entanto, eles também estão congelados no tempo, capturando algo que é completamente fugaz e impossível de capturar completamente. É um sublime paradoxo que, em última análise, acalma o espírito. Para mais informações, visite Michelle McKinney.

[Via: My Modern Met]